terça-feira, 28 de dezembro de 2010

Legislação Ambiental do Governo Lula

LEGISLAÇÃO AMBIENTAL DO GOVERNO LULA

As mudanças legais no segmento ambiental realizadas pelo governo do presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, entre os anos de 2003 até 2010 são substanciais e irão impor ao Brasil o ritmo na busca pela consolidação de um modelo de desenvolvimento sustentável do meio ambiente.

O legado jurídico ambiental, que inclui dezenas de leis, decretos e resoluções, não poderá ser desprezado.

Temas importantes se destacam na legislação que lançam os fundamentos das políticas nacionais para os seguintes segmentos: Resíduos Sólidos, Mudanças Climáticas, Aquicultura e Pesca, Saneamento Básico e a política energética.

Durante o período dos dois mandatos do presidente Lula, três ministros estiveram à frente do Ministério do Meio Ambiente, a senadora Marina Silva, que atuou de janeiro de 2003 até maio de 2008.

Em seguida o ministério foi conduzido por Carlos Minc, entre maio de 2008 até abril de 2010. Minc se afastou do governo para concorrer ás eleições e foi substituído pela atual ministra Izabella Teixeira, funcionária de carreira do Ibama, já confirmada na equipe da futura presidente Dilma Rousseff.

O governo Lula também apresentou dois projetos de lei que ainda tramitam no Congresso Nacional e que trazem importantes mudanças na legislação ambiental são eles, o Projeto de Lei Complementar nº 388, de 2007, que visa regulamentar os incisos do art. 23 da Constituição Federal, sobre licenças ambientais. O outro é o Projeto de Lei nº 792, de 2007 que cria o mecanismo de Pagamento de Serviços Ambientais.

Neste período foram criados o ICMbio (Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade) o SFB (Serviço Florestal Brasileiro) e a Secretaria de Mudanças Climáticas e Qualidade Ambiental do Ministério do Meio Ambiente.

Com exclusividade o portal Observatório Eco apresenta sua relação da legislação mais relevante do governo Lula no segmento ambiental.

Leis aprovadas

Lei nº 12.334, de 2010: Política Nacional de Segurança de Barragens.

Lei nº 12.305, de 2010: Política Nacional de Resíduos Sólidos.

Lei nº 12.187, de 2009: Política Nacional da Mudança do Clima.

Lei nº 12.114, de 2009: Fundo Nacional sobre Mudança do Clima.

Lei nº 11.977, de 2009: regularização fundiária de assentamentos localizados em áreas urbanas.

Lei nº 11.959, de 2009: Política Nacional de Aquicultura e Pesca.

Lei nº 11.958, de 2009: Ministério da Pesca e Aquicultura – ordenamento pesqueiro conjunto com MMA

Lei nº 11.936, de 2009: proíbe DDT

Lei nº 11.934, de 2009: limites da exposição humana a campos elétricos, magnéticos e eletromagnéticos.

Lei nº 11.921, de 2009: Política Energética Nacional.

Lei nº 11.794, de 2008: procedimentos para o uso científico de animais.

Lei nº 11.516, de 2007: criação do ICMBio.

Lei nº 11.460, de 2007: plantio de organismos geneticamente modificados em unidades de conservação.

Lei nº 11.446, de 2007: parcelamentos de imóveis rurais destinados à agricultura familiar.

Lei nº 11.445, de 2007: diretrizes para saneamento básico.

Lei nº 11.428, de 2006: Mata Atlântica.

Lei nº 11.284, de 2006: Gestão de Florestas Públicas.

Lei nº 11.132, de 2005: limitações administrativas ao exercício de atividades e empreendimentos efetiva ou potencialmente causadores de degradação ambiental.

Lei nº 10.779, de 2003: seguro desemprego durante o período de defeso.

Lei nº 10.711, de 2003: Sistema Nacional de Sementes e Mudas.

Lei nº 10.638, de 2003: Programa Permanente de Combate à Seca.

Decretos

Decreto nº 7.404, de 2010: Política Nacional de Resíduos Sólidos.

Decreto de 15 de setembro de 2010: PPCerrado.

Decreto nº 6.874, de 2009: Programa Federal de Manejo Florestal Comunitário e Familiar.

Decreto nº 6.527, de 2008: Fundo Amazônia.

Decreto nº 6.514, de 2008: regulamentação da lei de crimes ambientais.

Decreto nº 6.263, de 2007: Plano Nacional sobre Mudança do Clima.

Decreto nº 5.975, de 2006: regulamenta artigos do Código Florestal.

Decreto nº 5.758, de 2006: institui o Plano Estratégico Nacional de Áreas Protegidas (PNAP). Portaria 308 - MMA, de 27 de dezembro de 2005: regulamenta o acesso ao Cadastro Nacional de Unidades de Conservação (CNUC).

Decreto nº 5.577, de 2005: Programa Cerrado Sustentável.

Decreto nº 5.092, de 2004: regras para identificação de áreas prioritárias para a biodiversidade.

Decreto nº 4.703, de 2003: Programa Nacional da Diversidade Biológica.

Instrução Normativa

• IN 207/2008 – Ibama: limita a importação de Hidroclorofluorcarbonos (HCFCs).

Resoluções aprovadas no Conama

Resolução nº 415, de 2009: Proconve L-6

Resolução nº 371, de 2006: compensação ambiental.

Resoluções nº 341, de 2003, e nº 369, de 2006: uso excepcional de APPs.

Resolução nº 357, de 2005: classificação dos corpos de água.

Resolução nº362, de 2005: reciclagem de óleo lubrificante usado.

Resolução nº 358, de 2005: tratamento e disposição final de resíduos de serviço de saúde

Resolução nº 377, de 2006: licenciamento ambiental simplificado de Sistema de Esgotamento Sanitário

Resolução nº 387, de 2006: licenciamento ambiental simplificado de assentamentos de reforma agrária.

Resolução nº 335, de 2003: licenciamento ambiental simplificado de cemitérios.

Resolução nº 385, de 2006: licenciamento ambiental simplificado da agroindústria familiar.

Resolução nº 349, de 2004: licenciamento ambiental simplificado de empreendimentos ferroviários de pequeno potencial de impacto.

Resoluções nº 375, de 2006, e nº380, 2005: critérios e procedimentos para uso agrícola de lodos de esgoto.

Resolução nº 379, de 2006: informações sobre gestão florestal no Sisnama.

Resolução nº 378, de 2006: regulamentação do artigo 19 do Código Florestal, alterado pela Lei de Gestão de Florestas Públicas.

Resolução nº 409, de 2008: controle da poluição veicular de veículos pesados P-7.

Resolução nº 415, de 2009: controle da poluição veicular veículos leves L-6.

Resolução nº 418, de 2009: programas de Controle da Poluição Veicular e de Inspeção e Manutenção dos Veículos em Uso.

Resoluções aprovadas pelo Conselho Nacional de Recursos Hídricos (CNRH)

Resoluções nºs 111 e 114, de 2010, e nº 38, de 2004: delegam competência a associações e fundação para o exercício de funções inerentes às respectivas bacias hidrográficas.

Resolução nº 111, de 2010: aprova a proposta de instituição do Comitê de Bacia Hidrográfica do Rio Grande e dá outras providências.

Resolução nº 109, de 2010: cria unidades de gestão de recursos hídricos de bacias hidrográficas de rios de domínio da União (UGRH) e estabelece procedimentos complementares para a criação e o acompanhamento dos comitês de bacia.

Resolução nº 101, de 2009: aprova o Plano Estratégico de Recursos Hídricos da Bacia Hidrográfica dos rios Tocantins e Araguaia.

Resolução nº 91, de 2008: dispõe sobre procedimentos gerais para enquadramento dos corpos de água superficiais e subterrâneos.

Resolução nº 76, de 2007: estabelece diretrizes gerais para a integração entre a gestão de recursos hídricos e a gestão de águas minerais, termais, gasosas, potáveis de mesa ou destinadas a fins balneários.

Resolução nº 65, de 2006: estabelece diretrizes de articulação dos procedimentos para obtenção da outorga de direito de uso de recursos hídricos com os procedimentos de licenciamento ambiental.

Resolução nº 58, de 2006: aprova o Plano Nacional de Recursos Hídricos.

Resolução nº 54, de 2005: estabelece modalidades, diretrizes e critérios gerais para a prática de reuso direto não potável de água.

Resolução nº 48, de 2005: estabelece critérios gerais para a cobrança pelo uso dos recursos hídricos.

Resolução nº 47, de 2005: aprova o aproveitamento hídrico do Projeto de Integração do Rio São Francisco com Bacias Hidrográficas do Nordeste Setentrional.

Resolução nº 37, 2004: estabelece diretrizes para a outorga de recursos hídricos para a implantação de barragens em corpos de água de domínio dos estados, do Distrito Federal ou da União.

Resolução nº 32, 2003: institui a Divisão Hidrográfica Nacional.

Instrumentos legais relacionados à biodiversidade

Decreto nº 4.703, de 2003: cria a Comissão Nacional de Biodiversidade.

Decreto de 13 de julho de 2006: altera denominação, competência e composição da Comissão Nacional de Desenvolvimento Sustentável dos Povos e Comunidades Tradicionais (CNPCT).

Decreto nº 6.040, de 2007: institui a Política Nacional de Desenvolvimento Sustentável dos Povos e Comunidades Tradicionais (PNPCT).

Portaria Interministerial MMA, MDS e MDA 239, de 21 de julho de 2009: estabelece orientações para a implementação do Plano Nacional de Promoção das Cadeias de Produtos da Sociobiodiversidade.

Lei 11.775/08: Política de Garantia de Preços Mínimos para Produtos da Sociobiodiversidade.

Portaria 62/09-REB.

Portaria 436/09 MP.

Portaria Conjunta MMA e ICMBio n º 316, de 9 de setembro de 2009: estabelece os instrumentos para a proteção da fauna brasileira.

Decreto nº 7.029, de 2009: institui o Programa Federal de Apoio à Regularização Ambiental de Imóveis Rurais, denominado Programa Mais Ambiente.

Decreto nº 4.703, de 2003: referente à implementação do Programa Nacional da Diversidade Biológica (Pronabio), foi criada a Comissão Nacional de Biodiversidade (Conabio) – colegiado paritário contando com representação civil e governamental.

Portaria MMA nº 49, de 2010: Programa Mais Ambiente.

Instrumentos legais de prevenção, fiscalização e controle do desmatamento e das queimadas

Decreto de 3 de julho de 2003: institui Grupo Permanente de Trabalho Interministerial para propor medidas e coordenar ações de redução dos índices de desmatamento na Amazônia Legal.

Decreto de 15 de março de 2004: institui a comissão executiva do Plano de Ação para Prevenção e Controle do Desmatamento na Amazônia Legal (PPCDAm).

Decreto de 15 de março de 2004: cria grupo de trabalho para elaborar e coordenar a implementação do Plano de Desenvolvimento Sustentável para a Região de Influência da Rodovia BR-163 (Plano BR-163 Sustentável).

Decreto nº 6.321, de 2007: dispõe sobre ações relativas à prevenção, ao monitoramento e ao controle do desmatamento na Amazônia e estabelece que o MMA publicará anualmente lista dos municípios que mais desmatam, sobre os quais incidirão ações prioritárias.

Portarias do Ministério do Meio Ambiente (nº 28, de 24 de janeiro 2008; nº 102 e nº 103, de 24 de março de 2009; nº 66 e nº 67, de 24 de março de 2010): dispõem sobre a lista de municípios no Bioma Amazônia onde incidirão ações prioritárias.

Decreto nº 6.514, de 2008: (regulamentação da lei de crimes ambientais e “lista suja ambiental”): estabelece que o órgão ou a entidade ambiental promoverá a divulgação dos dados do imóvel rural, da área ou do local embargado e do respectivo titular em lista oficial (art. 18); a pessoa física ou jurídica infratora terá como sanção a perda ou suspensão da participação em linhas de financiamento, em estabelecimentos oficiais de crédito (art. 20); a autoridade competente deverá, após a apreensão, avaliar e doar os produtos perecíveis e as madeiras sob risco iminente de perecimento (art. 107).

Decreto nº 7.029, de 2009: institui o Programa Federal de Apoio à Regularização Ambiental de Imóveis Rurais (Programa Mais Ambiente).

Decreto de 15 de setembro de 2010: institui o Plano de Ação para Prevenção e Controle do Desmatamento e das Queimadas no Bioma Cerrado (PPCerrado) e amplia a atuação do Grupo Permanente de Trabalho Interministerial para todos os biomas brasileiros.

Decreto nº 7.008, de 2009: institui a Operação Arco Verde.

Instrumentos legais da Gestão de Florestas Públicas

Decreto nº 7.167, de 5 de maio de 2010: regulamenta o Fundo Nacional de Desenvolvimento Florestal (FNDF).

Lei nº 11.284, de 2006: Lei de Gestão de Florestas Públicas.

Decreto nº 6.063, de 2007: regulamenta a Lei nº 11.284, de 2006.

Decreto nº 5.795, de 2006: Composição e funcionamento da Comissão de Gestão de Florestas Públicas (CGFLOP).

Decreto de 13 de fevereiro de 2006: institui o Distrito Florestal Sustentável da BR 163.

Resolução nº 2, de 6 de julho de 2007: regulamenta o Cadastro Nacional de Florestas Públicas.

Fonte: http://www.observatorioeco.com.br/index.php/legislacao-ambiental-do-governo-lula/ postado por Helena Telino Neves, Grupos IBAP- Ambiental.

Postar um comentário